2006-12-05

O estorninho-malhado


Há dias estava entretida a varrer o pátio quando me apercebi de um ruído repetitivo a bater numa vidraça. Fui ver o que se passava. Era um passarito que insistia em passar pelo vidro de uma janela desconhecendo os mistérios dos materiais usados pelos humanos. Estava tão empolgado nessa tentativa que nem se deu conta da minha aproximação e num instante viu-se apanhado por uma coisa estranha que o envolveu e que não o deixava fugir. Não percebo muito de pássaros. Nesta altura do ano vejo-os em bandos de centenas de indivíduos, pousados nos fios da luz e do telefone. Com este desenho nas penas foi fácil identificá-lo com a ajuda de um amigo bom entendedor de passarada. Tratava-se de um estorninho-malhado, mais precisamente um Sturnus vulgaris com a sua roupagem de Inverno, já que no Verão tem as penas mais escuras e brilhantes. É uma espécie muito abundante, gregária fora da época de reprodução, formando enormes bandos. A sua vocalização é variada, incluindo muita imitação de outros cantos e, ao fazer este blog, aprendi que a palavra pissitar se refere ao canto do estorninho. Medem cerca de 20 a 23 cm, vivem perto de jardins, pântanos, sebes e bosques. O bico amarelo no Verão escurece no Inverno. As patas são avermelhadas. Faz o ninho nos buracos das árvores, nos rochedos ou nas caixas-ninho. A fêmea pôe cerca de 7 ovos azuis na Primavera e ao fim de 12 a 15 dias nascem as crias indefesas e penugentas saindo do ninho ao fim de 22 dias. Comem insectos, sementes e, para minha arrelia, também frutos.
Este estava desejoso de se ver livre da minha mão que o aterrorizava.
Posted by Picasa
Mas depois de muitas carícias e das minhas canções (que têm um efeito hipnógeno-calmante - que o diga a pequena Leonor), acabou por confiar e deixou-se ficar tranquilamente pousado numa mantinha enquanto durou a sessão fotográfica que o viria a tornar num estorninho famoso na blogosfera. Foi uma manhã muito cansativa para um pássaro-modelo e por isso resolvemos restituir-lhe a liberdade, soltando-o ao vento e vendo-o partir num voo forte e directo, rumo ao seu mundo.
Boa sorte, amiguinho!

13 comentários:

maria diegues disse...

Gostei muito do teu estorninho e da história toda. O que eu não sabia é que hipnotizavas a Leonor com as tuas canções de embalar.
Neste momento da minha vida bem precisava de ser hipnotizada, queres experimentar????
Bjs.

Anónimo disse...

Há estorninhos com muita sorte!!!

Bom dia para ti e para os estorninhos todos! ;)

Chauffeur Navarrus disse...

Querida Maria Diegues...
Ficas desde já a saber que também há pulseiras para isso! :)

Caro Ez.. os comentários ainda não estão disponíveis no chauffeur navarru's blog mas, creio que é para hoje!!

Amiga Ana Ramon...
"que o diga a Leonor"... e o paizinho.
Essas canções dão muito jeito para que os pais tenham alguns instantes de sossego :)

Beijos from
CN

Anónimo disse...

Caro Chauffer,
eu bem que lá tenho ido (ao teu blog, bem entendido... ehehhe é melhor não colocar mais "atributos" neste parêntesis, que me parece que só vou piorando a coisa... salvo seja salvo seja! LOL),... para tentar comentar, mas alí nem me queixar consigo!!!

Finalmente estive a escutar as vossas criações! Comentarei mais tarde porque vocês, artistas ;), são temperamentais e hipersensíveis! (ora aqui está mais um mito urbano!)

Abraços

Chauffeur Navarrus disse...

Comentários disponíveis no chauffeur navarru's blog!

Badala disse...

O estorninho é muito fotogénico. Boa sorte para ele.
Beijinhos.

anete joaquim disse...

Parece um pardalito cá da terra! Julguei que o estorninho fosse uma ave maior! Sei que há países onde se formam bandos enormes, que parecem nuvens negras a mudar constantemente de direcção. O efeito é giro.
Ainda bem que este se foi juntar ao bando!
Obrigada pela "amostragem".
um beijão

nota: puxa, Ana, não consigo acertar à primeira com estas malditas letras da verificação de palavras! Será que o madeirense escrito também é diferente? LOL
Cá vou eu, para mais uma tentativa!

*macau* disse...

Gostei da história! Quando era pequena acontecia-me o mesmo na minha marquise suburbana, mas em vez de tirar fotografias e cantar, achava que os pássaros deviam comer bolacha maria nas minhas mãos :(

Anónimo disse...

Novo post no Jardinagens...
Pediste, agora aguenta-te! ;)
Beijo

A palavra de verificação que me calhou foi "PFUUM!"
Quererá dizer alguma coisa?? LOL

Luciano disse...

Aqui por casa também volta e meia os pássaros se deixam iludir pelos vidros. Infelizmente é em pleno voo que se dá o engano e o embate é inevitável, por vezes com maus resultados.

AnaG. disse...

Já vi, que na tua casa até os estorninhos são reis...
:)
Beijinho

Anónimo disse...

Que modelo extraordinário! Ficou famoso e depois sai em liberdade percorrendo os céus como um Ferrari. Bj

Jairo Cunhago disse...

muito bonita sua hoistória amigo
tenho um casal de estorninho aqui no Brazil mas infelismente não posso solta-lo pois por aqui eles só tem em cativeiro ,e bem poucos que vem talves de Portugal um abraço