2008-02-28

O perigo espreita no pinhal

Desde o início de Fevereiro que assistimos preocupados à saída das longas filas de processionárias que estão a abandonar os seus ninhos.
Para aqueles que ainda não sabem o que são processionárias, iremos fazer uma breve revisão sobre o tema.
A processionária ou a Thaumetopoea pityocampa é uma lagarta que se alimenta das folhas (agulhas) dos pinheiros, também podendo alimentar-se das dos cedros e abetos.
Os 300 ou mais ovos de cada fêmea são depositados em volta de uma agulha de pinheiro, protegidos por escamas do abdómen da borboleta
Poderão ver o seu aspecto entrando neste link: http://br.youtube.com/watch?v=ukXKBOvCAx4
As lagartas nascem entre Junho e Setembro e fabricam um ninho, ou vários, com os seus fios de seda, onde se resguardam dos frios do Inverno. Ao construirem vários ninhos orientados de maneira diferente, tentam defender-se das temperaturas incómodas, uma vez que não resistem abaixo dos -12º. nem acima dos 32º.
Durante as estações frias, saem à noite para se alimentar das agulhas dos pinheiros.
No início do ano, assim que o tempo começa a aquecer e até Março, as lagartas abandonam os ninhos descendo pelo tronco dos pinheiros, em procissão (daí o seu nome), sendo guiadas por uma fêmea que vai tecendo um fio de seda para não se perderem umas das outras.
Nesta altura do ano é vulgar ver as longas filas que se deslocam rapidamente, embora quase sem darmos por isso, procurando um solo solto que lhes permita enterrarem-se para crisalidar, aparecendo as novas borboletas no Verão, só tendo 1 ou 2 dias para serem fertilizadas e terminarem a postura, finda a qual perecerão.
Além de andarmos a perseguir as longas procissões para as destruir antes de se enterrarem, também cortamos os ramos dos pinheiros que contêm esses ninhos. Mas como há muitos pinheiros demasiadamente altos, usamos umas caixas que comprámos para o efeito que penduramos nos ramos e que têm dentro uma pastilha com feromona (tipo Chanel 5) para atrair a borboleta macho, sendo este depois surpreendido dentro da caixa por uma pastilha de insecticida. No Verão, limpamos as caixas frequentemente e colocamos novas pastilhas.
A foto abaixo mostra o interior de um ninho com as processionárias enroladas, defendendo-se do frio, antes de o destruirmos.

 
Posted by Picasa

Esta outra foto, mostra o local escolhido por uma fêmea-guia. Reparámos que a terra tinha sido remexida recentemente e ao escavar descobrimos o esconderijo dessa colónia.

 
Posted by Picasa

Ontem, ao darmos o passeio habitual de fim da tarde com os nossos cães pela extrema da quinta, fomos surpreendidos com o comportamento do Dongo que não parava de vomitar e de esfregar o focinho no chão. A Nanã ao ver a aflição do irmão dirigiu-se a ele para o lamber e no preciso momento começou a disparar em grandes correrias, babando-se e a ganir. Não tivemos dúvidas que tinha havido contacto com pêlos das processionarias. Tivemos que agir rapidamente, só perdendo tempo a procurar as coleiras e trelas e metemo-los de imediato no carro, partindo a grande velocidade para a clínica veterinária uma vez que a celeridade do início do tratamento pode ser a salvação do animal. Chegados à clínica, estavam mais calmos mas era muito nítida a língua grossa que mal cabia dentro da boca do Dongo e os edemas nas faces da Nanã. O médico veterinário já nos esperava e fez-lhes imediatamente o tratamento de choque necessário nestes casos. Felizmente as mucosas estavam com uma cor normal, ao contrário do infeliz cão que noutra sala ao lado estava a ficar com a língua azulada o que indiciava uma necrose dos tecidos, provavelmente com a queda parcial ou total da língua. A gravidade do seu estado podia ser devido a uma demora maior no início do tratamento ou um maior contacto com os pêlos das lagartas.
Foi este acidente que nos fez escrever mais uma vez sobre o assunto. Não esquecer que devem evitar passear com crianças ou animais de estimação em zonas de pinhais nesta altura do ano.

Para quem quiser saber mais, pode consultar esta página que tem um video extremamente bem feito e que responde praticamente a todas as questões sobre a processionaria. Está em espanhol mas é fácil de entender.

http://images.google.es/imgres?imgurl=http://www.espacioblog.com/myfiles/forestman/30tpcuco.jpg&imgrefurl=http://www.espacioblog.com/forestman/post/2006/03/19/la-procesionaria-del-pino&h=960&w=1280&sz=212&hl=es&start=3&tbnid=IWnJI5X-kNDuRM:&tbnh=113&tbnw=150&prev=/images%3Fq%3DCuculus%2Bcanorus%2B%2B%26imgsz%3Dxxlarge%26svnum%3D10%26hl%3Des%26sa%3DN

24 comentários:

alexandrecastro disse...

olá ana. ainda bem que a sua história teve um final feliz. habitualmente não é este o fim!!!!
por aqui pela minha zona os pinheiros tb estão infestados com esta praga. que fazer? talvez o que fazem os espanhóis aqui na raia. sobrevoavar a zona de avioneta largando um desinfestante.
será que resolve?
beijinho

Anónimo disse...

Ola Bela, sou eu a prima Anica

Olha aqui na Vila Vita nesta altura vejo as "procissões" pelo jardim fora, bom como " molhos" de lagartas no chão que de repente mais parece uma aranha gorda e gigante...
Tive um colega que apanhou de raspão com uma destas lagartas no pescoço e teve problemas durante muito tempo com edema, e vermelhidão para além do desconforto normal destas dermites... também precisou de acompanhamento médico.
Por incrivel que pareça aqui nos jardins fazem desinfestações constantes ás arvores, pois estas meninas devem ser um animal muito resistente.
Beijos

gintoino disse...

Felizmente não vivo numa zona de pinhal! Nesta altura do ano è sempre a mesma coisa começam a descer dos pinheiros, os cães acham-lhes "graça" vão lá meter o nariz/boca e já está o mal feito. Este ano ainda n vi muitos cães afligidos por esse mal, mas já tenho visto bastantes q perderam uma boa porção da lingua devido à necrose resultante.

Luciano Lema disse...

estou pasmado! já tinha ouvido falar de cães aos quais tinha caído a língua por causa das processionárioas mas pensava que era um daqueles exageros populares.
já percebi que não!
já tive cá ninhos no cimo de uns pinheiros - problema resolvido com a queda natural dos ditos (um com o vento, outro com um fungo que destruiu as raízes).
boa sorte para o dongo!

ez disse...

Não sabia do efeito nefasto das processionárias!... (aliás, nem lhes conhecia o nome, só sabia que faziam aquele tipo de ninho e que comiam as agulhas dos pinheiros!)
Espero que os cachorros estejam recuperados!

Beijosssss

eu disse...

Nunca vi, ao vivo, as processionárias. Os pinheiros existem, numa cota superior ao sítio em que moro, mas é engraçado que aqui não se ouve falar delas. Vou estar mais atenta.
Gostei imenso do seu blog e vou continuar a visitá-lo.

Espaço do João disse...

Olá Ana.
Segundo tenho observado a processionária quanto aos pinheiros só as vi nos pinheiros mansos. Tenho ouvido tanta história sobre esta lagarta, mas comigo ainda nada se passou. Acredite ou não, eu apanho-as e coloco entre mãos, sobre os braços e, ainda nada me aconteceu.No entanto já tenho presenciado pessoas com alergias a esses bicharocos.Não sei se estou imunizado ou se será que acontece a mais pessoas. Para provar qualquer dia tiro uma foto com elas na mão. João

rato do campo disse...

Essas malditas lagartas são uma sombra negra na vida dos pobres dos cães! Ainda bem que tudo correu pelo melhor! Beijo!

bettips disse...

Quando aqui chego ou passo, não posso parar de ler! As novidades de livros, a corte em azul, pardalita perdida, flores que abrem estonteadas...
E os ensinamentos, Ana, preciosos. Espero então que os teus cães estejam recuperados.
Beijinhos

poetaeusou . . . disse...

*
aqui
chamamos lagarta do pinheiro,
,
grato pela tua aula,
,
conchinhas
,
*

Pandora disse...

Não fazia ideia do mal que elas fazem.
Beijos e espero que os cães já estejam melhor.
Bom fds

pinguim disse...

Mais uma lição completa sobre algo de que nunca tinha ouvido falar e que acho importante saber.
Folgo por os teus cães não terem sofrido mais que o susto.
Beijinho e bom fim de semana.

Rui Caetano disse...

Mas as históreias nem sempre acabam desta forma. Um bom fim de semana.

Tongzhi disse...

Confesso que nunca tinha ouvido falar destas lagartas. Comentando com uma colega que tem uma quinta aqui perto, disse-me que nesta altura do ano tem de ter os cães presos por causa disso. Também me falou de uma empresa que uma vez chamou para pulverizar os pinheiros, mas que é muito caro.

ContorNUS disse...

Obrigada pelo "alerta" os links são elucídativos!
Em Cascais houve um ano mais tenso qd surgiram os mais casos e sistemácticos. Agora a situação é mais conhecida e inclusivé surgiram empresas a oferecer serviços para combater a "praga".

as-nunes disse...

Olá, boa tarde, Ana, desde Leiria, Já conheço o nosso comum amigo Augusto Mota há muitos anos. Mas nunca houve ocasião de nos relacionarmos com mais assiduidade e até intimidade/cumplicidade por via dos nossos gostos e actividade profissional.
Sucede que restabeleci um contacto mais próximo (ainda que via digital) por causa do célebre pilriteiro. É que num dos meus posts de há um ano pus-me a ensaiar divagações sobre botânica (eu que só sou um paupérrimo aprendiz...)a propósito dum pirycanta, a que eu chamei espinheiro alvar. Vai daí vem à liça os meus primeiros contactos com o pilriteiro. De tal modo que me transformei num fã deste arbusto espectacular.
Ontem estive em casa do amigo Mota. Fiquei de boca aberta com a fantástica dedicação que ele tem vindo a dedicar às plantas, de toda a espécie. Claro que até vim com algumas amostras para o meu jardim. Espero que peguem.
E lá estivemos a observar os ninhos das processionárias. Como alguns dos pinheiros são mesmo muito altos (um dos ninhos estava mesmo no ramo guia da copa) imagino que deva ser um problema bicudo quando se quer combater a praga, ninho a ninho.
Com a leitura deste magnífico post fiquei a conhecer mais umas facetas das mãzitas das processionárias. Alguma função lhes terá sido reservada, mas qual de útil?
Beijinho
António

Pandora disse...

Obrigado pela visita.
As fotos já lá estão.
Beijos.

Dulce disse...

Como sempre, continuas a surpreender-me com o teu saber.
O que tu nos ensinas!!!
Beijo grande para ti e uma festinha aos teus fiéis companheiros.

kuka disse...

O ano passado destruí todos os ninhos e este ano não vi nenhum. Felizmente.

Trumbuctu disse...

Gostei muito de ler o artigo. Algumas coisas já sabia mas não assim em pormenor. Coitados dos cães e da joaninha que ficou presa.

Aqui vemos muitos ninhos, pendurados nos pinheiros, mas nunca tive oportunidade de ver uma procissão a passar, mesmo nos passeios que damos pelo pinhal. Os cães daqui também têm tido sorte, adoram os passeios e nunca se cruzaram com elas.

Tenho uma dúvida, esta será uma dessas lagartas? Tem algumas semelhanças.

Um beijinho e obrigada pela explicação.

M. disse...

Depois de alguma ausência, aqui volto. Como de costume, encontro muitos ensinamentos que nos são oferecidos com tanta simplicidade. É um prazer ler-te.

JRL disse...

obrigada pela partilha, ana. somos tão ignorantes em relação à natureza que nos rodeia... eu sou! um beijinho grande.

Ana Ramon disse...

Olá amigos, nem sempre me lembro de fazer um comentário final e por isso peço desculpa aos amigos que tornam a voltar procurando por ele.

Alexandre, penso que os pesticidas largados por avioneta sobre os pinhais, conseguem baixar um pouco as populações de lagartas mas não devem ser totalmente eficazes porque na verdade elas aparecem de novo no ano seguinte, como podes verificar no comentário da Anica que passou para nos contar a sua experiência.
Gintoino, tens realmente muita sorte de não viveveres perto de pinhais. É uma preocupação constante quando se tem cachorros endiabrados e gostando de brincar com tudo. Até fins de Março, os passeios ficam limitados a uma pequena zona que não tem pinhal. O veterinário que nos dá apoio, disse que o ano passado teve um dia em que lhe apareceram 30 cães com problemas mais ou menos graves devido a estas malditas.
Luciano, mas fica atento aos ninhos. Quando menos esperamos já temos os pinheiros cheios deles.
Ez, também só passei a conhecer o seu efeito nefasto quando vim para aqui. Fartei-me de ver estes ninhos na Serra de Sintra e até achava piada àqueles novelos que pareciam de algodão. Mal sabia o que é que eles escondiam na realidade. Os cachorros estão óptimos.
Sabes Eu, já tenho passado pelas procissões sem as ver logo à primeira. Parece um raminho caído no chão pela maneira como se movimentam. Só depois de ver uma é que fico com os olhos preparados para distinguir as outras. Fica atenta.
João, as processionárias tanto atacam os pinheiros mansos como os bravos. Não são esquisitas! Acredito que consiga mexer nelas. Pode ter a ver com a sua pele ou a sua imunidade. Nunca lhes mexi mas também não estou tentada a fazê-lo. Mas o melhor é evitar o contacto. Pode ter a pele imune e não ser assim com as suas mucosas, por exemplo.
Rato do campo, é verdade que podem fazer a vida negra a qualquer um. São uma praga que não se consegue eliminar definitivamente.
Bettips, é uma das minhas preocupações falar daquilo que vou aprendendo no meu dia-a-dia. Até há poucos anos fui uma citadina só conhecendo pinheiros e eucaliptos, laranjeiras, nespereiras e pessegueiros e algumas, poucas, flores que tinha no meu jardim... ah, e pombos e gaivotas. Hoje ando para aqui de boca aberta espantada com tudo :)) Gosto que gostes
Poeta: e chamam muito bem.
Pandora, é verdade que são perigosíssimas. As pessoas da cidade ignoram quase por completo a acção destas lagartas.
Pinguim, ficamos quites. Eu aprendo contigo também.
Rui, pois eu sei disso. Tivemos sorte com os animais. Mas nem sempre é assim.
Tongzhi, eu também não conhecia a existência de tal bicho. Só com as más experiências é que soube o que tinha aqui. O ano passado tive um borrego que ficou sem uma parte da beiça por causa delas. Quanto a essas pulverizações, além de serem caras, não eliminam completamente e elas regressam sempre no ano seguinte.
Contornus,a praga é tal que realmente a primeira coisa que se tem que fazer é sensibilizar as populações. Vivi em Cascais há anos e nunca me dei conta dela.
As-nunes, já sabia dessa tua visita :). O Augusto tem esse condão de nos entusiasmar com todas as plantas. Espero brevemente também passar por lá para lhe dar um abraço. Quanto às processionárias, é verdade que todos os animais fazem parte do eco-sistema. Mas dou voltas à cabeça e não consigo descobrir qual a participação delas... são pouquíssimos os predadores e nunca com mono-dieta.
Já vi, pandora. Um trabalho muito bonito. Parabéns
Olá Dulce, pois é o que vou aprendendo neste canto rodeado por pinhais e eucaliptais como já conheces. Tem cuidado com os teus passeios pela mata, principalmente quando se pousa descuidadamente a mão num tronco de pinheiro, como já me aconteceu... a dois cm de uma procissão que ia a descer :)
Mas kuka, vai olhando sempre. É que as borboletas podem vir de outros pinhais e fazerem postura nos teus. Tens sorte de ainda serem pequenos.
Trumbuctu, a lagarta é a mesma ou muito parecida. Tenho que pôr a tua foto ao lado de uma outra que tenho aqui para comparar, mas ainda não tive tempo. Não te preocupes com a joaninha porque não estava presa. Havia mais duas que caminhavam saudavelmente por cima do ninho. Julgo que estariam á procura de qualquer coisa que ainda não percebi o quê. Quando destrui o ninho, retirei as joaninhas. Simpatizo muito com elas.
M, tenho um grande prazer em passar as informações que vou colhendo neste espaço ao ar livre. Umas boas e outas más. Felizmente também aprendo muito visitando os vossos cantinhos.
Jrl, eu também sou, acredita. Por vezes irrito-me com tanta ignorância da minha parte.

Para todos os amigos que simpaticamente deixaram um comentário e também para aqueles que passam sem deixar marcas da sua passagem aqui, deixo um abraço muito forte e um grande beijinho

Anónimo disse...

jhf:por ter sido exposto a esta lagarta da qual já tinha conhecimento, mas não a "prática", tentei informar-me, quando tomei contacto com este blog, o qual acho bem elucidativo,tambem eu vivo apaixonado pelos misterios dos tres reinos ,sendo que neste momento me ocupo da investigação e pratica de alguns dos seus misterios,entre os quais a quinta essencia e extração do fogo e sua aplicação pratica.Tambem encontrei algumas procissões diurnas durante as minhas caminhadas,durante mais de dez anos,semanalmente na serra de sintra, principalmente noturnas para comunhão com a naturesa fantastica de alguns dos lugares mais deslumbrantes da montanha da deusa Celene (DEUSA DA LUA ). Peço desculpa por tomar demasiado espaço deste blog,bem haja pelo seu ensinamento.