2008-02-11

Uma visita quase escaldante

Uma tarde destas, quando estavamos sentados na salinha pequena a estudar um plano para o tratamento das árvores de fruto, ouvimos um barulho estranho meio aflitivo e abafado. Levantámos a cabeça a esperámos que se repetisse, o que aconteceu poucos minutos depois. Percebemos que o som vinha do interior da salamandra. Abrimos a porta com cuidado e vimos com muita surpresa que se tratava de uma pardoca ou pardaleja, a fêmea do pardal.
Dizemos com muita surpresa porque já não esperavamos este tipo de visitas depois de termos mandado cobrir a saída da chaminé exterior com uma rede fina.
A fêmea imobilizou-se ao sentir a portinhola a abrir e nós aproveitámos esse momento para tirar algumas fotos.

Posted by Picasa

Foi uma sorte o animal ter dado sinais da sua presença. Se não fosse assim, com as noites tão frias que têm estado nesta zona, acabaríamos por dar origem a uma cena dramática quando acendêssemos a salamandra ao serão.

Posted by Picasa

Felizmente tudo acabou em bem e a pardaloca foi devolvida ao seu espaço, no qual entrou com um esvoaçar nervoso.

20 comentários:

Luciano Lema disse...

por cá são os morcegos que gostam de se meter em aventuras.
ainda bem que a ouviram a tempo!
beijinhos!

ez disse...

Até para se ser pardaloca é preciso ter sorte! :D

beijinhos apardalocados!

poetaeusou . . . disse...

*
ana,
aconteceu comigo,
uma cria de pardal telhado,
saiu da chaminé,
os pais piavam em pânico
tentando entrar pela janela,
através da clarabóia,
consegui pô-lo no telhado,
só acontecia em abril,
,
será prematuro ? a sério . . .
,
conchinhas
,
*

Sonhadora disse...

Olá Ana,
em minha casa todos os dias acordámos com o som dos pardais no parapeito da janela e quando temos o estore aberto, os vidros são espelhados e os pardais debicam-nos pensando que estão a lutar com outros pardais... é bonito poder conviver de perto com estes bichinhos.

Dulce disse...

Ora aí está uma pardaloca cheia de sorte!! Gosto da palavra: pardaloca. Faz-me lembrar brinquedos, vá-se lá saber porquê! :-)
Beijinhos e abraços

Tongzhi disse...

Eu ja vivi uma situação semelhante. Não sei se era pardal ou pardoca!!! Ouvi um barulho na lareira e quando olhei, sai um passaruco a voar pela sala toda. Assustadíssimo, nem dava com a janela que, entretanto, escancarei!!!

JRL disse...

gosto de ler a tua partilha da vida. :) um beijinho.

Jardineira aprendiz disse...

Pois, por aqui também já aconteceu, não sei o que os atrai nas chaminés, provavelmente o calor, ou então a escassez de outros locais para fazer ninho.

Beijos

Espaço do João disse...

A primavera está a chegar. Com ela visitam-nos as andorinhas.O ano passado houve um casal que fez seu ninho mesmo junto á porta de minha garagem. Já recomeçaram a restauração de seu ninho. Engraçado que arrastadas por elas apareceu outro casal e, estão a fazer seu ninho ao lado do outro. Julgo que são filhotes que regressaram ao lugar onde nasceram. Todos os dias tenho que alimentar, pardais, verdilhões, pintassilgos, piscos, rolas e melros. Aparecem para matar a fome, pois nesta altura escaceiam os alimentos. É um delírio vê-los esperar uns pelos outros e muitas vezes todos juntos.

pinguim disse...

Não sei se sabes, mas a minha única fobia, estranhìssima, são os pássaros; imagina o terror que não teria sido essa situação numa casa minha. Mas devo considerar, devido às eventuais consequências, que ainda há animais felizes...
Beijinhos.

as-nunes disse...

O quotidiano traz-nos histórias fantásticas, o que é o caso.
A mim também já aconteceram algumas cenas do género, simplesmente numa situação mais comum. Passaritos de telhado a virem de escantilhão chaminé abaixo e ficarem a esvoaçar na sala. A seguir vem a aventura de lhes ensinar a saída para o ar livre.
Mas lá se tem resolvido a contento.
Beijinho
António

Oris disse...

Mas que sorte teve a pardaloca...

Ela sabia que ia ser bem acolhida.
:))

Beijitos, Ana

M. disse...

É um prazer ler-te. Aqui, o afecto está em tudo.

rato do campo disse...

Já tenho tido vários pássaros em casa. A minha aflição é quando eles, em pânico, tentando escapar pelas janelas altas, batem contra os vidros. Mas depois lá se conseguem apanhar com uma toalha, ou assim, e libertar. Teve sorte, a passarinha, em ter deparado convosco... Beijinho!

Pandora disse...

Olá Ana, é por causa de situações destas e de viveres em armonia com a Natureza, que te deixei um miminho lá no meu canto.
Beijos.

poetaeusou . . . disse...

*
mensagem standard
*
neste dia, recusa
o manto da solidão,
“ cobre-te de ti “
e sairás renovada(o)
,
in-poetaeusou
,
conchinhas
,
*

greentea disse...

coitadita ....vinha abrigar-se do frio e ia havendo churrasco !

ainda bem q estavas por ali e a ouviste antes de acender a salamandra

beijinhos, q há q tempos não passava por cá.

Rubina disse...

Grande sorte :) Beijinhos

Ricardo disse...

Ufa! Salvou-se a tempo. Mas já que falaste em pardal, tenho uma historinha curiosa: aqui no Brasil os primeiros casais chegaram por volta de 1910, mandados vir pelo então prefeito do Rio de Janeiro, o Pereira Passos.

Ele foi responsável por uma imensa reforma que buscou urbanizar e europeizar a capital do Brasil (naquele tempo). Botou abaixo cortiços e construções coloniais, abrindo uma grande avenida ladeada de prédios modernos. E para deixar a cidade com ares parisienses, mandou vir os pardais.

Hoje eles infestam todas as grandes cidades, e expulsaram muitos dos pássaros nativos, visto que são mais belicosos e acostumados ao habitat urbano.

maria diegues disse...

A pardoca e a Nõnõ....pena esta estar de costas já tenho saudades, há muito aue não vejo os manos todos.
Também vi que começas a ter as árvores floridas, por aqui, ou seja no meu pobre jardim....ainda não vejo nada e o que vai tendo rebentos novos são logo uma rica refeição para os caracóis.
Beijinhos.