2008-05-17

Saber ser velho

Em Março de 2007, escrevemos um pequeno texto fazendo referência à vida e obra de Carlos Mar Bettencourt Faria, cientista português assassinado em Angola em 4/7/76. A partir daí fomos recebendo alguns contactos de pessoas que também o conheceram e que gostavam de partilhar essas memórias. Um deles foi o Mário Portugal, seu irmão, que ainda hoje comunica connosco diariamente dando origem a uma bonita amizade.
O Mário é rádio amador veterano e escreve com frequência para a revista QSP-Revista de Rádio e Comunicações sobre os assuntos mais diversos e inesperados.
Os seus conhecimentos são vastíssimos e é difícil pôr-lhe alguma questão que fique sem resposta de imediato ou a curto-prazo.
É uma pessoa muito activa, alegre, solícita e sempre atenta às descobertas científicas que se fazem por esse mundo fora.
Tendo passado parte da sua juventude internado num sanatório do Caramulo com uma grave doença pulmonar de diagnóstico tão reservado que indiciava uma morte prematura, conseguiu impor-se à doença fazendo uma vida normal até hoje.
Também se interessa por medicina e é abordado bastas vezes por vizinhos e amigos para lhes aplicar uma dose de ondas curtas para alívio rápido nos problemas de artroses nas suas fases mais dolorosas.
É evidente que um espírito assim irrequieto na procura do saber e de novas tecnologias, não ia ficar indiferente às possibilidades da Internet.
Vivendo completamente só, por ser viúvo e ter os filhos distantes, passa o dia muitíssimo ocupado contactando amigos reais ou virtuais, fazendo pesquisas, escrevendo artigos técnicos e também narrando muitas das suas memórias no blog “Engenhocando”, merecendo o interesse de alguns sites brasileiros.
Há alguns dias escreveu um texto no seu blog com o título “Que bom chegar a velhinho” que publico aqui, com a devida autorização do autor, dedicando-o a todos os amigos candidatos a idosos, fase a que poderão chegar se tiverem sorte na vida:
"Provavelmente, o leitor que chegar a este blog, ficará um tanto atónito com a expressão escolhida para esta crónica, pensando provavelmente que a velhice deve ser uma grande chatice! Na realidade, se uma pessoa tiver levado uma vida sem nada para recordar, e se ainda por cima, não tiver já uma boa saúde, achará que a velhice, deve ser uma coisa muito chata, mas quando há muito para recordar e ainda interesse por viver, encontra muito de que falar... Na realidade, a velhice, quando cá se chega, como eu aos 81 anos, vem acompanhada de muitas surpresas, às vezes um tanto desagradáveis, certos abanos na saúde, a noção de que já faltam muitas coisas que se foram perdendo pelo caminho dos anos, mas enquanto se tem a noção de que numa longa vida, tem mesmo de existir muitos solavancos e nos temos de ir preparando para o passo final... pensa-se de forma diferente... Alguém me poderia perguntar: "Qual é a melhor hora de cada um dos seus dias?", e eu poderia responder que é o acordar e uma pessoa sentir que ainda está viva e lúcida. Depois dum cigarrinho para ajudar a acordar completamente, dada a preocupação de não deixar cair nenhum morrão sobre a roupa, segue-se o ir fazer o pequeno almoço de sopas de café com leite, e vir comê-lo para a cama e logo seguido de outro cigarrinho... Muito confortavelmente instalado, agarra-se uma boa leitura por mais uma hora e se pára. Segue-se um período vazio de olhar o tecto branco e tudo o que nos rodeia, e no silêncio total da falta de companhia, ficar a pensar no que se poderá fazer de agradável, para encher as horas do dia que acabou de nascer. Como o leitor deste blog já teve várias vezes a oportunidade de ler, eu sempre me lembro de que tenho tido muitas ocupações diferentes e, se for alguma em que possa aprender qualquer coisa, ainda melhor. Eu costumo pensar que as únicas coisas que me crescem actualmente, são as unhas e o cabelo... o resto já se foi andando e desaparecendo, mas como tudo se vai lentamente, nem dá muito para se ficar preocupado, mas simplesmente com certa pena. Vão-se os dentes, o ouvido e a vista, com baixa imenso de sensibilidade, as pernas começam a ficar perras e em vez de se andar, damos que estamos mais a arrastar os pés e a tropeçar ao mais pequeno descuido, e se fica com a saudade do interesse sexual que tanto abundava uns anos antes, e se extingue. Se se envereda pela INTERNET, os amigos que se vão juntando e fazendo companhia diariamente, são um enorme aliciante, pois cada um nos vai dando noticias do que está a fazer ou a pensar fazer, os que necessitam dos nossos conhecimentos adquiridos durante tantos anos, e nos enviam imagens lindas de ver, de todos os tipos, de terras distantes e lindas de ver e conhecer, do aparecimento de instrumentos que todos os dias se estão a inventar e mulheres, lindas mulheres, daquelas que tem TUDO o que qualquer homem gosta de ver... enquanto os seus olhos ainda conseguem enxergar alguma coisa! Mas eu nasci com uma necessidade imensa de conversar com toda a gente, mais novos e mais velhos, ricos e pobres. Por esse motivo, em 1948, quando me apercebi de que a morte só me tinha passado ao perto, logo me entusiasmei pelas actividades radioamadoristicas que me abriam imensas portas científicas, e a ANACOM me forneceu o indicativo de CT1DT, que ainda hoje possuo e uso. Assim, e embora ainda num sanatório, me fiz radio-amador e de lá das altas montanhas do Caramulo, consegui encontrar imensa gente da minha idade, 17 anos, e muitos, quase todos, mais velhos. E, como os anos iam andando e eu a ver imensos amigos a morrer, ricos e pobres, mas em especial os bem comidos e bem bebidos, lembrei-me de fazer uma lista dos que se tinham ido, a que chamei de "Triste Lista", onde já inscrevi 375... Assim hoje, eu sou, dos poucos velhos amantes da rádio, que ainda existem em Portugal! E lá se vão encontrando aqueles velhos amigos de há mais de 60 anos, que também se meteram com a NET, e com quem estamos de conversa, horas e horas, recordando os tempos passados... as aventuras que tivemos, as empolgantes experiências de todos os tipos, os sustos e os fracassos que apanhámos e as alegrias que nos encheram a vida, as mulheres que nos acompanharam e que algumas vimos morrer nos nossos braços... E mais, a vermo-nos uns aos outros... via MSN em televisão. É uma pena que muitas pessoas que chegaram à idade avançada, não tenham a coragem de se meter na NET, pois ficam sem quase nada para fazer, todo o dia, só esperando pela hora da alimentação, um passeiozinho pela rua, umas horas a ver televisão, e umas sonecas à mistura... Felizmente que, e desde há muitos anos, me enviam mensalmente pedidos de mais artigos para publicar e isso me ajuda a estar sempre de atalaia, para encontrar os assuntos sobre o que escrever e juntar fotografias e esquemas, que, muitas vezes, têm de ser feitas sem perda de tempo, para quando chegarem os pedidos, já ter alguma coisa pronta a seguir. Entretanto já tenho publicadas, cerca de 1000 páginas de assuntos técnicos, e por isso, muito diferentes destes que aqui escrevo. Eu devo ser considerado um tipo muito especial, talvez "maluco", dado que, se se for à NET e lá escrever ct1dt, em QRZ.COM, vai ver que lá está a minha fotografia de há poucos anos e a indicação de quase 2000 visitas ao meu indicativo...e fico a pensar no porquê ...quando a maioria, anda pelas 200 ou 300 visitas... Quase todos os dias nos entram pelo casa dentro, no computador, anúncios das mais rocambolescas coisas, desde as comidas que fazem bem a tudo, as anedotas, aos comprimidos de Viagra que já não nos serviriam para nada, há de tudo! Mas uma coisa é certa, desde há muitos anos, que me habituei a uma alimentação muito simples, como um prato de sopa de legumes e massa, um ovo estrelado ou em omeleta, um fruto, meio pãozinho, um pouco de queijo de barrar, e um copinho de sumo de laranja, é quanto basta, pois as sopas de café com leite da manhã e do lanche, bem docinhas, fazem o resto. Perde-se a vontade de andar a medir a tensão arterial e de andar sempre nos consultórios, quando já se sabe que as análises que foram feitas anualmente, se mantêm estáveis. Então, para quê ir fazer mais? Claro que há muita gente que necessita de vigiar as diabetes, se as tem, mas quando se fez uma vida muito cuidadosa, regrada e simples na alimentação, não fica nada por onde se ter de cortar. Aprendemos que mais cedo ou mais tarde, todas as comidas muito condimentadas, acabam por vir a fazer mal. Então eu as eliminei... pura e simplesmente! Nada de fritos, nem refogados, nem gelados, desde que vim a saber que eram feitos de manteiga e leite... e andar a comer "manteiga" à colher, é mesmo um suicídio...Uma coisa aprendemos, é que os dentes postiços nunca mais funcionam como os de origem, e nunca mais se consegue trincar como dantes. Se os dentes não conseguem desfazer uma carne um tanto rija, mais vale ir metê-la no triturador, 1,2,3, e comê-la logo moída, em vez de exigir que um estômago com mais de 80 anos, o consiga fazer convenientemente, à custa do seu corrosivo ácido clorídrico. Ou então, pura e simplesmente, eliminá-la da dieta. Por quê teimar em comidas que se digeriam bem aos 20 e aos 30 anos, mas que agora são um sacrifício tremendo para o estômago as digerir? Quando se vive completamente só, fica-se muito restringido na alimentação, a coisas muito simples, e estar o mínimo de tempo na cozinha, nem que seja por preguicite aguda... Mas uma coisa que parece tão simples de fazer para toda a gente, como partir um ovo para estrelar... até isso fica complicado, pois a maioria das vezes rebenta a gema e aquilo fica uma autêntica chachada!! Eu não me sinto como pessoa desajeitada, até porque me consigo entender dentro dum relógio de pulso e com os seus micro-parafusos, as micro-rodas dentadas, mas fico mesmo chateado quando, ao pretender fazer um bonito ovo estrelado, acabo por vê-lo rebentado na frigideira, embora se possa comer aquela mistela... Ná, aquilo tem de ter a sua técnica, pois uma coisa é partir um ovo para mexer ou fazer uma omeleta, e outra, fazer um estrelado... é muito diferente e eu tinha de aprender... Assim, peguei um, coloquei-o numa balança e com o gume duma faca, fui fazendo força, lentamente, e medindo a força.Verifiquei que a casca estalava aos 3,5 Kg, mas só ia dentro, aos 4 Kg... e sem rebentar com a gema... Bem, pensei eu, então o que tenho de fazer é várias pancadinhas à sua volta para facilitar que se abra, e assim lá me tenho safado... e podido comer, regalado, e molhado com bocadinhos de pão, a sua saborosa gema e a clara, levemente tostada à volta. Mas como é óbvio, vão-se fazendo disparates, quase todos os dias, e ainda hoje, fui fazer o café e me esqueci do próprio café! Só tinha água quente!!! Noutra vez, foi ao contrário, coloquei o café e esqueci-me da água, que teimava em não subir... e ia acabando com a maquineta, que quase se ia derretendo !!! e café... nada ! Ou ir fazer duas ou três compras e chegar ao super-mercado e já não saber o que ia comprar e outras, encontro as coisas e me esqueci do dinheiro... O que me vale, é que todo o mundo me conhece e vai perdoando, mas nem que seja um euro, eu tenho de o ir lá levar. Não posso ficar a dever um tostão a ninguém... fico mesmo doente... Ou sair de casa com braguilha aberta... ou com os botões da camisa, trocados... Ou andar pela casa à procura duma coisa que já nem sei o que era... tendo de voltar atrás... As coisas de casa, como limpar e arrumar, é que me custa um pouco mais, em especial o ter de fazer a cama, dificilmente sabendo o lado da cabeça e o dos pés... ou se está direito ou do avesso... E passar a ferro uma data de roupa... O leitor poderia perguntar: e porque é que não vai comer fora? Porque me custa muito o tempo de espera pela comida, pensando no que poderia estar a fazer em casa, com os meus brinquedos, responder ao correio electrónico, escrever um artiguinho como este, ou preparar um outro para publicação... E viva a velhice !!!! que é linda de viver ... e deixa-me ir embora, senão nunca mais acabo... e me ponho a contar como dei dois valentes trambolhões esta semana e de cabeça no chão... e como consegui acabar com umas dores de cabeça que não me deixavam dormir... talvez devido aos trambolhões, mas isso daria para outro artigo..."

30 comentários:

pinguim disse...

Fabulosa lição de vida!!!

Tongzhi disse...

Deliciosa esta narrativa da vida de uma pessoa com 81 anos. Assim, vale a pena chegar até lá!

Luciano Lema disse...

É mesmo! É preciso saber.

Anónimo disse...

Oh Ana Ramon, mas que surpresa a sua e que bom é sentir que se tem alguém que nos deposita tanta amizade.
Que Deus a acompanhe e lhe conceda a maior felicidade.
Muito grato pela sua generosidade.

Eira-Velha disse...

No limiar (ou já inserido) da terceira idade, dou muitas vezes comigo a pensar que a velhice deve ser péssima se não houver um suporte familiar capaz de fazer face às necessidades de cada um. Mas exemplos como o que a minha amiga nos dá a conhecer, e outros que também são do nosso conhecimento, fazem-nos crer que há outras vidas para viver e não nos devemos resignar a ver passar o tempo.
Muito bem visto este tema!
Um beijinho

poetaeusou . . . disse...

*
que riquissima,
amizade , amiga,
como se diz aqui,
o teu amigo,
"é um mar de experiencia"
,
conchinhas de amizade,
deixo-te,
,
*

Anónimo disse...

Amiga, acabei agora de ler o teu artigo e fiquei encantada o que que o teu amigo escreveu acerca da velhice e da vida dele, mas que lição que ele nos dá...
quanto à alimentação, estou quase como ele, nem fritos, nem gorduras, tudo leve, e o meu jantar é sempre a minha sopa de legumes e uma peça de fruta.
Agora vou já ao blog Engenhocando!
Bjs.

as-nunes disse...

Surpresa das surpresas!
É que também sou radioamador desde 1981. E conheço muito bem o CT1DT, o nosso muito querido e sabedor Mário Portugal. É certo que tenho andado bastante arredio das coisas da rádio como amador. Nestes últimos anos, apareço de vez em quando nos 40 metros ou nos 2 metros, o nosso amigo VHF. O meu indicativo é CT1CIR, tenho um site, há quantos não ponho lá nada? http://www.qsl.net/ct1cir
É como o Mário Portugal diz, tanta coisa que a maioria de nós, radioamadores, temos para dizer. Só o recordar excertos das nossas conversas infindáveis via rádio, particularmente antes do advento da Internet, dava para estarmos aqui a encher páginas e páginas de caracteres, milhões de bits, que dificilmente seriam lidos pela maioria do bloguistas que, pelo que tenho reparado, não dão relevo quase nenhum às nossas maluqueiras.
Ah grande Mário! Um grande abraço!
É possível que o DT já nem se lembre de mim. Talvez falando-lhe no CIR de Leiria.
Vou já a correr ao blogue dele. Se calhar até ainda vamos fazer umas coisas em parceria. Ele gosta de rádio, eu também; ele gosta de Net eu também; ele é idoso, eu para lá caminho...
Fiquei com a sensação de que o primeiro anónimo dos cometários será o Mário!...
Querem lá ver que vou voltar a ser mais activo como radioamador? Já pensei nisso várias vezes, mas o tempo, maldita profissão, que estou quase a mandá-la às urtigas, que já dei o litro, acho eu, não me deixa mais tempo para tudo a que gostaria de dedicar mais a minha atenção.
81 anos, Mário Portugal? Tantas e tão pedagógicas palavras que eu ouvi da sua boca, via rádio!...Que saudades! Entre outras a questão dos tones nos repetidores, aquelas emissões milagrosas em onda curta, com uma placa sobre determinadas partes do corpo, a precisão das lições de técnica e bem-estar na rádio!...
Etc.......
-
Ana Ramon, muito obrigado por este excepcional post. Não só a sua introdução mas, muito especialmente, pela forma como apresentou o Mário Portugal.
Um beijinho
António (Nunes - CT1CIR) membro da ARAL.

Rita Lemos disse...

Uma verdadeira crónica, de uma riqueza extraordinária. Pessoas que vale a pena conhecer, assim como a Ana. Beijinho

Joaquim Nogueira disse...

Foi uma justa homenagem a transcrição que fez do trabalho que o Mário Portugal publicou no engenhocando, sob o título saber ser velho. Um abraço do ct2fvf

Ezequiel Coelho disse...

até dá vontade de ser CT1TB4 !!!!
Parabéns ao autor do texto e à autora do "pretexto" ;)

Oris disse...

Que excelente texto que nos apresentas e que linda história de vida.

É ouvindo e lendo histórias com esta, que cada vez mais nos sentimos com força, para enfrentar a "outra idade".

Vou ser uma visita assídua do "Engenhocando".
Obrigada, por mo teres dado a conhecer.

Beijitos

Ricardo disse...

Lindo!

Dulce disse...

Uma amizade que vale a pena cultivar ...
Quanto ao texto do Mário, é uma verdadeira lição de vida e da Arte de Viver. Tomara que todos pudéssemos viver assim com essa qualidade.
Beijo grande para ti e outro para o Mário

eu disse...

Que bom ter partilhado esta crónica. Só se consegue viver a velhice assim se tivermos, como o Mário, construído com sabedoria o nosso percurso de vida.
Obrigada por me dar a conhecer este SENHOR.

alexandrecastro disse...

ana
mas que beleza de escrita!
beijinho grande
alexandre

Jardineira aprendiz disse...

Belíssimo testemunho! Encarar desta forma o envelhecimento é uma grande vitória!

Agora vou espreitar o blog.

Ana Maria B disse...

Idem para todos, vou já ver o blog.

Bichodeconta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Bichodeconta disse...

Deliciei-me a ler esse texto de alguém que só conheço de nome.. É de fazer inveja, afinal , pena é alguém não chegar a velho..Mas saber envelhecer é de facto uma virtude ..envelhecer com cabeça sadia, com sabedoria..um abraço, ell

JRL disse...

obrigada pela partilha. um bom fim de semana. beijinho.

Anónimo disse...

Oi Ana Bela Ramon
Eu sou esse Mário Portugal que você teve a amabilidade de transcrever com o artigo sobre a velhice, e, realmente, muito me admira que tenha ganho tantos simpáticos leitores,pois me estava a parecer que os seus habituais não iriam achar graça alguma, em falar duma pessoa tão "estranha" como eu sou. Mas enganei-me!
Acabei de colocar no meu blog Engenhocando, um artigo de que vai gostar, pela certa, pois fala do que foi esse meu irmão Carlos Mar, já aos 3 anos de idade, e vai poder compreender o porquê dele ter sido como foi. Talvez seja uma historia triste, mas vai encontrar a explicação do porquê do seu encanto em conhecê-lo pessoalmnte, quando ainda era uma criança entusiasmada pela astrofisica...
Agradeço imenso a todos os comentaristas, as amorosas palavras que me dedicaram.

Mário Portugal

Dulce disse...

Tenho algo para ti no meu Além!
Bjinhos e bom domingo

Espaço do João disse...

Saber ser velho?.
Custa-me ouvir a palavra velho. Não há velhos.Há isso sim, pessoas muito usadas e, que teem ainda muito para nos ensinar. Este seu texto vem confirmar a regra.Que seria deste mundo se não houvese gente usada para nos transmitir seus conhecimentos? Só se é velho quando se deixa este mundo cruel. Quando encontro uma pessoa desta natureza, o meu maior prazer é poder conversar e aprender algo que não sei. Muito tenho a agradecer às pessoas que durante tantos anos levaram a adquirir conhecimentos e, estão dispostos a reparti-los com aqueles que se hão-de lembrar sempre. Um belo texto para nos deixar a pensar nas pessoas usadas. Um forte abraço. João

bettips disse...

Não posso dizer que li aqui e agora tudo, mas sei que voltarei com mais tempo...
É que te deixei um "presente", no blog meu, daqueles pensados, não de troféus e medalhas, nem de repassar... Espero que não te importes, afinal o coment. era público e tão belo! Obrigada, Ana. Bjinho

Tozé Franco disse...

Que bonita lição de vida. Obrigado por a partilhares connosco.
Há que saber envelhecer.
Um abraço.

Manuel Anastácio disse...

De facto, um texto que vale bem a pena ler.

JRL disse...

publiquei na mesma. um beijinho.

Anónimo disse...

Excelente trabalho. Só faltou ao Mário Portugal sentir a pulsação da vida na Mulemba em Angola.Viajaria para o Sec.XXII

antonio disse...

Caro Cmt Mário
Tem toda a razão - estrelar um ovo é uma ciência.. não é nada fácil. Um dia, quando tempo houver, faça de novo o ensaio da pressão necessária para partir a casca do ovo mas com o ovo em pé. É provável que verifique que terá de fazer muito mais força. Assim me disseram, mas também nunca ensaiei.
Abraço
Lusito